sábado, 27 de outubro de 2007

To tal do capitalismo e o famoso socialismo.

E ai, gente boa =) Hoje eu vou começar agradecendo! Muito obrigado a vocês, campeões! O Blog tá recebendo, em média, umas 15 visitas diárias, o que é relativamente bom se considerarmos a qualidade dos autores. Valeu mesmo gente! Contamos com a boa vontade da moçada pra divulgar o blog para que ele cresça e fique cada vez melhor =) Mas falando do que interessa, vendo um cara falar na globo news sobre mercado e tudo mais me deu um vontade de escrever sobre capitalismo e socialismo. Comecei um texto, mas quando cheguei a sua metade dele achei uma coisa estranha. Não tava batendo com o que o cara falou. Então eu fui procurar na internet e em livros sobre as duas linhas e descobri que eu sou um boçal. É campeão, eu sou um boçal. Há mais coisas entre o capitalismo e o socialismo que supõe nossas vãs consciências. O que vemos hoje e o que vimos no passado na URSS não são nada do que pregam ambas correntes. O que ocorre hoje em dia e o sistema adotado na URSS são mutações. Pra você entender melhor, é como se você planejasse ir pra Bahia passar o carnaval e parar em Piúma. O capitalismo existe desde que o mundo é mundo. Nos tempos antigos o pessoal trocava dois cocos por uma ovelha e assim vai. No feudalismo começou com a idéia de propriedade privada e assim foi. O capitalismo que conhecemos hoje começou logo depois da revolução industrial, que é denominado capitalismo de estado. O capitalismo de estado é “a Piúma“. É dele que vem a mais-valia, que é aquela velha história de que o trabalhador trabalha um tempo a mais o qual o patrão não paga. Esse capitalismo explora o trabalhador e fortalece os industriais e o resultado dele, bom, olha pra janela que você vai ver. O capitalismo “Bahia“ funciona um pouco diferente. Ele se baseia na livre concorrência, livre-mercado, propriedade privada e na lógica humana. Adam Smith dizia que com a vontade de acumular capital o trabalhador se aprimoraria e trabalharia pra acumular capital. O industrial pagaria um salário justo pelas horas trabalhadas e o proletário cheio da bufunfa, iria ser a força que movimentaria o sistema, mas, não deu certo. Os industriais começaram a explorar tanto o trabalhador como o meio ambiente para lucrar e lucrar, esquecendo dos princípios da teoria do escocês. O problema não é o sistema e sim como é aplicado Por causa da grande exploração que estava sendo feita nos proletariados, um cara chamado Karl Marx propôs uma saída, que era a mão contrária ao sistema implantado. Marx propunha que a propriedade privada e o livre comércio promoviam uma busca desenfreada por riqueza que acabaria em caos. A teoria de Marx era que se não houvesse isso tudo seria azul como o céu, o analfabetismo seria quase zero e com o tempo o estado desapareceria com um tipo de igualdade geral, o bom e velho comunismo. Motivado por essas idéias, a revolução vermelha implantou no Antigo império russo, agora URSS, essa teoria. Tinha tudo pra dar certo e tava dando. Até acontecer o que sempre acontece. Joseph Stalín assumiu o poder da URSS assim que Lênin morreu. Ele criou um corrente anti-Marxista, na verdade. O Estado Soviético cresceu e tomou poder de tudo, ao contrário do que realmente deveria acontecer que era seu sumiço. Stalin se tornou um ditador, planificou a economia, o que promoveu um crescimento grande no início, mas depois com o crescimento o mercado precisava se expandir e com tudo planificado isso era impossível. Censurando os meios de comunicação, centralizando todo o poder nele além de ter uma mania feia de espalhar sua foto com o seu bigodão pela URSS inteira. Isso fez com que após sua morte um grande vazio tomasse o governo de Moscou. Depois de Stalín vieram Kruschev, Brezhnev, Andropov e Gorbachov. De 65 a 85 a URSS ficou como grande expoente político mas o crescimento do país e a qualidade de vida da população sofreu uma grande estagnação. Depois de Stalín o URSS não foi a mesma graças a centralização do mito e do homem que ele próprio fez. O problema não é o sistema e sim como foi aplicado². Nunca tivemos uma experiência Capitalista e Socialista de verdade. Alguns pensadores dizem que nunca teremos já que o vicio do capitalismo de estado já está enraizado. As duas correntes diferem em vários pontos como a questão da propriedade e do mercado. O problema é que houve associações preconceituosas para com as duas correntes. O problema não é o sistema e sim como é aplicado². Associamos o capitalismo como um monstro que veste as cores dos Estados Unidos. A dieta dele se baseia em trabalhador com sociedade feliz e ele tenta até o ultimo fio de cabelo acabar com a felicidade do mundo. Ele explora o meio ambiente e faz com que todos entrem numa loucura para ficar ricos. Quanto a socialismo vemos ditadores vestidos de vermelhos, falando horas e horas na televisão, estatizando até a mãe dele ou fumando charuto cubano em frente à praia de Havana. Vemos uma economia que não consegue se sustentar porque não produz, mas lembrando que não se deixava produzir. Cada um deve acreditar no que acha mais viável e não criar pré-conceitos. O que vemos são sistemas caducos modificados por pessoas que só visavam o seu próprio interesse e que, sendo impressionante a coincidência, era megalomaníaca. Não sejamos fruto da imprensa que faz você entrar na roda do consumismo (Outra idéia que não tem nenhuma semelhança com o Capitalismo “Bahia” já que prega o acumulo de capital... o gasto excessivo vem do fato das empresas terem de lucrar... é fera, o velho capitalismo “Piúma”.) mas também não sejamos cegos em achar que o socialismo de verdade é o que vemos nossos Hermanos fazer. Tenho que dizer que nunca fiquei tão motivado para fazer um artigo. Peço, porém, para que cada um tenha a sua própria opinião já que esse é o principal objetivo do blog. A Equipe “E ai Campeão” fica muito feliz com os debates que vem acontecendo e que continuem assim. Tenham uma semana “Bahia” =)

sábado, 13 de outubro de 2007

Che Guevara: O Guerrilheiro ou o líder?

E ai gente boa! Faz tempo que eu não passava por aqui, atolado com concursos e tudo mais. Mas passada a tempestade to voltando =) “Hay que endurecer-se, pero sin perder la ternura jamás“. Essa frase histórica que já estamos cansados de fazer trocadilhos e piadinha foi dita por Che Guevara, certo? Errado. Na verdade foi Moscou que inventou essa frase. Ela faz parte da construção do maior mito do mundo, criado pelo governo comunista, nosso bom e Velho Che. Antes que me mandem à merda ou me matar em nome da revolução eu venho tentar me fazer claro. Li a respeito na VEJA, deste mês, sobre o “herói” e queridinho de todos os jovens do mundo (inclusive meu). Fique revoltado. Foi como falar para uma criança que Papai Noel na verdade é a Dercy Gonçalves. A história deturpou a verdade sobre o mito fazendo nascer um herói, quando na verdade o que existiu foi uma pessoa que deixou o poder subir a cabeça se tornando um líder fracassado, fatalista e frio... Além de ser um puta azarado. Pra você se situar campeão, um pouco da história dele. Ernesto Guevara Lynch de la Serna nasceu em 1928, na Argentina. Fez faculdade de medicina, e antes de completá-la fez o histórico “rolé” pela América do Sul. Terminada a viagem ele saiu da Argentina e nunca mais voltou. Ele conheceu Fidel no México e aprendeu táticas de guerrilha e juntos desembarcaram em Sierra Maestra onde dois anos depois Fidel tomou o poder. Assim que Fidel tomou o poder em Cuba, Che começou a tratar dos fuzilamentos e logo depois da economia (assunto que ele não entendia nada). Estatizou as fábricas tirando o capital estrangeiro do país. Depois no ministério da agricultura, estatizou também a agricultura, que agora dependia dos subsídios do governo, que por sinal não tinha dinheiro nem pro papel higiênico do Fidel. Resultado da sua administração foi à queda da produção agrícola, força-motriz de Cuba. Depois de arrebentar a economia, Fidel, desesperado, dá o Ministério da Indústria pra Che, mas divergências de pensamentos entre os dois fazem com que Che largue o Ministério. Pra tentar despachar o então amigo Fidel o manda para o Conselho da ONU. Péssima idéia. Lá ele fala com orgulho que em Cuba o fuzilamento continuará até que a luta seja finda. Depois disso foi tentar lutar no Congo e na Bolívia. Em ambas campanhas foi frustrado e a última investida, em que foi traído pelo próprio partido comunista boliviano, que o julgava louco, culminou com a morte do Líder. Mas então, como o guerrilheiro fracassado virou lenda? Simples. Ele foi a imagem perfeita para um regime que precisava se firmar. Galã, boa pinta, morreu prematuramente evitando que fosse associado à decadência do comunismo, como Fidel, que está pela bola 7. Muito de sua história depois da tomada do poder ficou escondida, o que é lembrado são seus ideais quando jovem. Fotografado pelo cubano Alberto Korda, Aquela foto que Che ta olhando pro nada, é hoje a imagem mais reproduzida do mundo. Che também ficou com símbolo de liberdade e da luta por idéias revolucionárias, o que fez dele um herói. Che, na verdade, é um ser complexo de ser estudado. Vendo toda a história dele, parece que alguém deu uma porretada na cabeça dele fazendo que a personalidade dele mudasse. Che, em seu “role” pela a América, fez um dos estudos mais respeitados que se tem da América do Sul, além de ter ajudado povos indígenas, leprosos e tudo mais. Era um idealista e tinha uma fome de luta sem igual, mas, quando posto no poder, sua personalidade muda completamente, se tornando um comandante frio que fuzilava prisioneiros sem mais nem menos. Che antes de aprender tácticas de guerrilha era respeitado por todos seus camaradas, muito diferente do episódio que levou a sua morte. Vendo vários autores comentando sobre Che o que pude perceber foi um ser que tinha seus ideais sérios e firmes, ideais por liberdade e igualdade, porém quando posto no poder, parece que isso mexeu com ele. É importante analisar Che como um todo, e não como apenas um guerrilheiro sanguinário ou um idealista. A história mudou o perfil dele e criou um símbolo de liberdade. Agora, que o lado negro da força tá se mostrando, veremos se Che cairá em desgraça ou se a imagem e o mito já se firmaram perante uma sociedade que está cansada de um sistema corrupto e ineficaz e vê nele um símbolo de libertação.

segunda-feira, 8 de outubro de 2007

Auto-estima Bipolar dos Brasileiros

Uma rápida definição: distúrbio bipolar é uma forma de distúrbio de humor caracterizado pela variação do humor entre uma fase de maníaca ou hipomania, hiperatividade e grande imaginação, e uma fase de depressão de inibição, lentidão para conceber idéias e realizar, e ansiedade ou tristeza. Juntos estes sintomas são comumente conhecidos como depressão maníaca. O povo brasileiro enfrenta uma crise pessoal tão forte que nem mesmo se Sigmund Freud e Carl Jung se unissem, poderiam resolvê-la. Esse transtorno bipolar exponencializado que brinca com a auto-estima da nação incessantemente não é igual para todos os brasileiros. Como a maior parte das coisas que acontecem nesse país. A definição encontrada no dicionário Houaiss nos diz que auto-estima é a “qualidade de quem se valoriza”. Uma definição vaga para um caso tão complexo quanto o do Brasil, um país com tantas realidades diferentes escondidas nos quatro cantos de seu território. Não parece correto acreditar que a auto-estima de um morador de rua desempregado com filhos doentes e passando fome seja igual à de um brasileiro de classe média bem pago, morando em seu confortável apartamento. Isso é o que caracteriza como bipolar a auto-estima dos brasileiros: enquanto uns têm tanta, outros têm muito pouca. As disparidades sociais não apenas modificam índices do IBGE ou fazem a posição do Brasil cair na classificação do Índice de Desenvolvimento Humano, elas também afetam a mentalidade das pessoas, trazendo efeitos tão devastadores quanto a fome, a violência ou as doenças que uma pessoa pode sofrer fisicamente. E, às vezes, podem ser piores... Não há terapeutas nem Prozac o bastante para dar conta de um país tão assustadoramente grande como o Brasil. Essa situação também não vai ser mudada da noite para o dia. Problemas relacionados ao bem-estar psicológico podem ser muito mais traiçoeiros e trabalhosos do que qualquer infecção, fratura ou inflamação. O que o Brasil precisa, campeão, ainda mais nesses tempos de escândalos políticos pipocando a (Granja do) torto e a direito, é de uma boa injeção de ânimo. Só resta agora achar a vacina certa.

terça-feira, 2 de outubro de 2007

Energia Nuclear!!! – Título sem criatividade!

O uso da Energia nuclear é muito polêmico, e a Usina Angra 2 reacendeu alguns debates acerca do tema. Cabe a nós analisar tudo o que tivermos à mão, em vez de ficarmos crucificando um monte de gente e de idéias que nem conhecemos direito.
A Energia nuclear é bastante cara, não só porque é preciso muito dinheiro para fazer a energia ser gerada, mas por que implantá-la demanda equipamentos, tecnologia – necessária para o enriquecimento do urânio, por exemplo – mão de obra especializada - que saiba lidar com esse tipo de energia - manutenção, etc. Para países que ainda não possuem nada disso, é um investimento muitíssimo grande. Porém, no estado atual do nosso planeta, tão capenguinha, coitado, há uma busca ferrenha por novos tipos de energia, pois a energia advinda dos combustíveis fósseis não é renovável, e tudo que é bom um dia acaba. Há a alternativa de se usar as energias eólica, solar, da biomassa ou outras, mas frequentemente, a depender do território, são caras e com pouco aproveitamento. Por exemplo: Você não pode aumentar a quantidade de vento que passa por determinado local ou a intensidade do sol no mesmo (a não ser que você seja o Gandalf, o Mestre dos Magos ou o Jim Carrey), mas você pode aumentar o processo de obtenção de energia a partir de fósseis ou urânio.
Outro problema que é apresentado é o lixo atômico, extremamente poluente e que não pode ser jogado em qualquer lugar. Mas esse é um problema tomado com proporções exageradas, pois a quantidade de lixo atômico produzido em usinas que gerariam energia para iluminar a Inglaterra por 10 anos caberia em uma pequena casa popular. Obviamente, é necessário manter esses resíduos em locais hermeticamente fechados e sem acesso à população ou ao meio ambiente. Lembremos também que toda forma de obtenção de energia causa algum impacto ambiental. As hidroelétricas inundam grandes áreas e modificam ecossistemas, as termoelétricas emitem grandes quantidades de gases estufas – que hoje estão na mira, por causa do aquecimento global, etc.
Diz-se no Brasil que a energia nuclear não é uma alternativa inteligente, por se argumentar a má utilização dos nossos recursos hídricos, eólicos até. Há países que não têm todo esse potencial, e precisam de uma forma diferente de suprir suas necessidades. Enfim, acreditamos que a energia nuclear é extremamente viável. Isso não significa que todos os países deveriam adotá-la, pelo contrário. Cada governo deve analisar com cuidado suas possibilidade energéticas e escolher a melhor, e caso optando pela energia nucelar, devem conduzir políticas muito sérias, trabalhar com pessoas capacitadas e direcionar os resíduos tóxicos para seu lugar devido – longe de qualquer tipo de vida.