quarta-feira, 27 de fevereiro de 2008

Eu não costumo ler os artigos grandes desse blog porque me dá uma preguiiiiiça...

Desculpe o atraso na data da postagem.... E não prometo que isso não se repetirá, mas prometo que vou me esforçar =) PÉÉÉÉÉÉÉ!!!! PÉÉÉÉÉÉÉ!!!! Cuidado! Os alarmes soam ensurdecedoramente. Nossos níveis de descaso cultural beiram perigosamente a mediocridade. Campeão, quantos livros você lê por ano? É isso aí, campeão. Vamos falar de leitura. Você lê muito ou apenas o que está escrito neste e em outros blogs? Lê Eça de Queiroz, Dan Brown ou Capricho? Afinal, o que você lê? Bem, eu estou certo de que você lê mais do que a maioria. A fantástica média brasileira de livros, alcançada por poucos e esmerada por menos ainda é de 1 a 2 livros por ano – algumas pesquisa dizem 1,5; 1,8, 1... - ou seja, um livro por semestre! Dessa vez, nem adianta comparar com outros países e ver como estamos baixo (Os americanos lêem em média 4 livros por ano e os franceses, 11), até porque a maioria dos outros países também não é de grandes leitores. A comparação deve ser feita de pessoa a pessoa, analisando seus hábitos. Tenho amigos que lêem 12, 18, 15 livros por ano. Tenho amigos que leriam -1 se fosse possível. O que causa isso? Falta de aptidão para a leitura? Ausência de incentivo? Inexistência de títulos adequados ou alto preço dos livros? Como saber! O fato é que a história é a mesma: quanto mais pobres, maior a dificuldade de encontrar leitores. “Ah, eu conheço um moleque que mora num barraco e lê quarenta livros por ano”, você pode dizer. Mas a periclitante verdade não dá voltas. Quanto menor a condição financeira, menor o incentivo à leitura e menor acesso aos livros tem o sujeito. A leitura é uma arma contra a alienação, dominação, desvario, convulsões íntimas. Abre as portas para o mundo lá fora e para o nosso mundinho interior. Quando você lê, tem noções apropriadas de milhares de coisas, como política, história e filosofia. Você enxerga de outras formas acontecimentos verdadeiros e passa a interpretar pessoalmente os acontecimentos fictícios. O senso crítico começa a piscar e você para de engolir qualquer coisa. E quem nunca leu um livro com um personagem que você viu e falou: “Putz, esse cara é igualzinho a mim!”. São possibilidades infinitas na literatura. Desde Crônicas de Nárnia a O Universo Numa Casca de Nós, de Paulo Coelho a Dostoievski, de Capricho a Scientific American, todas as leituras nos oferecem alguma coisa positiva – a começar pelo abrir da cabeça e se inteirar do hábito de ler. Só não pode ficar parado! Ler só Mônica dos 8 aos 40 anos é sacanagem! Por isso campeão, eu faço um apelo. Eu sei que você é um leitor. Por isso, vamos ajudar a incentivar quem não é. Se você lê livros, sabe como faz bem... Então pra aquele seu amigo que lê pouco ou nada, dá um livro lindo de aniversário! Aquele colega do colégio, leva um livro emprestado pra ele e fala “Poxa, lembrei de você quando li!”. Conversa com quem não gosta de ler e descobre por que, o que falta, o que você pode fazer pra ajudar. Isso é fazer um mundo melhor. Agora, se você ainda não é um leitor, campeão, mexe essa bunda da frente do computador. Se tu tem tempo de saracotear nos blogs, ficar sem ler livros é cara-de-pau!! Missão pra você, campeão. Missão. Quem lê ajuda o mundo a crescer.

domingo, 24 de fevereiro de 2008

Pesquisa de opinião

E aí, moçada! Queremos fazer um blog cada vez mais interessante, então botamos essa pesquisa aí do lado. Você pode dar sua opinião e marcar masi de uma opção. Gostaríamos muito da colaboração de todos =) Aproveita e comenta ali embaixo ;) Abraços! Equipe E aí, Campeão!

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2008

Cuba'lançou

Aeeeee =)

Campeões, nós voltamos! Tavamos com saudade!

Depois de um longo tempo sem escrever estamos voltando com as postagens, toda quarta e domingo, sem falta, e se a inspiração bater, textos anexos vão ser postos ali no cantinho.

Rapaz, o mundo tá mudando. A china comemorou o ano novo com os ocidentais, um negro ou uma mulher está a caminho da casa branca, acabaram com aquela piadinha sem-vergonha de “E se eu tirar de lá de dentro, kosovo?”, mas sem dúvida alguma, a notícia que evidencia mais a mudança das velhas histórias é que Fidel Alejandro Castro Ruz não é mais o ditador de Cuba.

E demorou. Quarenta e nove anos no poder, campeão, é muito tempo. Fazendo comparações, o cara ganharia até de São Pedro. Pedro ficou 33 anos como papa, é o papado mais longo da história... Grandes imperadores romanos duravam vinte e cinco anos... Igual a ele só D. Pedro II, mas foi no Brasil e lá vale tudo mesmo...

O problema agora não é o passado e sim o futuro. A imagem de Fidel representava um carimbo: “Comunista até a pleura”. Fidel representava o socialismo lá implantado. E agora sem Fidel? Bom, difícil saber se o partido vai se perpetuar no poder ou não, o fato é que sem Fidel talvez o povo cubano, principalmente os cubanos de Miami, caiam na real.

É no mínimo complicado viver em Cuba. O relato daqueles caras que fugiram de lá e agora tocam a musica deles lá em Pernambuco mostra no que cuba se tornou: Um mercadinho com tudo em falta. Segundo eles, cada cubano tem sua cardenetinha e tem lá “X ovos; X rolos de papel higiênico; X sacas de pão“. Você só pode levar “x” e nada mais, fora que ele disseram que carne bovina é de vez em nunca, o que rola é de vez em quando um franguinho. Magro.

Sem tirar o Mérito de Fidel, Cuba tem um dos melhores sistemas de saúde do mundo, vitrine pro mundo. Fidel conseguiu tirar cuba da crise do petróleo de 73 e incrivelmente conseguiu segurar o comunismo em Cuba depois que dezenas de países o aboliram(E sem a disciplina do povo chinês que também ainda se vestem de vermelho) e também, com um talento pro comando visível, tirar Che de Cuba depois daquela frase show de bola dos fuzilamentos.

O povo cubano vive no atraso de uma economia pobre que também não tem pra onde correr já que sofre embargo dos EUA. O próximo governo de Havana já entra com um pepino de Itu na mão. Entra com a principal missão de tirar cuba da estagnação, do atraso e do embargo. Ou seja, fazer o improvável já que os EUA falaram que o embargo irá sobreviver a essa passagem do poder. Em Miami já saíram às ruas os cubanos que lá se refugiam e querem o fim da revolução.

O mundo teme uma “anti-revolução”, sacaram? Cubanos insatisfeitos, porém orgulhosos de seu pais, conseguem mobilizar a população, e aí pronto, Vai ter o pessoal pró Foice, vai ter também os contra Foice e isso resulta em um choque. Se isso vai acontecer ou não, sabe-se lá, mas é a possibilidade que mais assusta.

Pelo visto os cubanos são como um povo que eu conheço. Sofrem com um governo que os pega pelo pé, que não dá apoio, que apunhala pelas costas, mas que apesar de tudo acreditam em um futuro melhor, em uma solução... Ainda que improvável...

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2008

UM PEQUENO PASSEIO PELAS POTENCIALIDADES HUMANAS

O homem é os ser mais capaz desse planeta. Ele pode pensar, é um indivíduo complexo cheio de intrincados padrões psicológicos, é o único animal que joga no bicho e que fica maluco. Hoje em dia nós temos um determinado padrão cultural, social e mais um monte de al, mas os padrões mudam de tempos em tempos. Infelizmente, parece que o homem tem o dom de arrumar desculpas e esquecer os dons e capacidades que tem. Vamos dar uma olhadinha? Inegavelmente, a sociedade vem evoluindo ao longo da história. Depois que a agricultura foi descoberta lá pelos 8000 a.C., todos tiveram que aprender a viver em sociedade, e alguns começaram a despontar e mostrar o quanto sabiam. Nos séculos V e IV a.C. A civilização grega vivenciou seu apogeu. Sócrates, Platão e Aristóteles lançaram bases filosóficas e científicas que modificam tudo que veio a partir daí, e que a maioria de nós reles mortais ainda não compreende. O conhecimento era uma coisa única, e estudar anatomia e música eram de igual prioridade. Mais ou menos por aí, trezentos anos antes ou depois, alguns já provavam que a terra era redonda e calculavam seu raio, e outros escreviam as maiores narrativas épicas da humanidade. A música erudita teve seu despontar lá pelo barroco. Depois disso veio um tal de Mozart, que tinha em seu primeiro conserto cinco anos. E Beethoven, que ficou surdo no meio da vida e continuou com a carreira. Ah! E tem um pianista BRASILEIRO, um dos pouquíssimos capaz de tocar toda a obra de Bach, que toca dezenas de teclas por segundo. Mesmo. Havia no japão antigamente espadachins capazes de abater andorinhas em pleno vôo. E de derrotar dezenas, eu disse dezenas de combatentes sozinho. Juro que não estou inventando. Isso é história. E por falar em história, vocês se lembram de Alexandre, o Grande? Da Macedônia à Mesopotâmia, passando pelo Egito... em 13 anos de conquistas apenas. Leonardo da Vinci era: Pintor, escultor, inventor, escritor, maluco, e dizem alguns que ele ainda arrumava tempo pra comandar uma Ordem que escondia o corpo de Maria Madalena. Sabem o Halley? Aquele que descobriu o cometa? Pois é. Ele não descobriu não. Na verdade, ele foi o primeiro a traçar a trajetória de um cometa, que antes era considerado uma pedrinha que passa e não volta mais. Seu sonho era pegar a cadeira de astronomia de uma faculdade aí, mas acabou pegando a de geometria. Escreveu sobre história, geografia, biologia (marinha) e mais um monte de coisas que nem se imagina. Ah! Sabe o Principia, a bíblia da física escrita por Isaac Newton? Pois é. Newtinho tava pobre, então o Halley pagou a publicação. Fernando Pessoa tinha 72 heterônimos. O que é isso? Ele escrevia como 72 pessoas diferentes. Um dos mais famosos, Alberto Caeiro, foi escrito totalmente em seis horas apenas – Uma obra poética inteira em seis horas. Se for pra falar de pessoas fenomenais, há uma lista imensa. Ghandi, Einstein, Joana D'arc, Martin Luther King, Michelangelo, Rafael, Shakespeare, Dante Alighieri, Cervantes, Esopo, Galileu, Francisco de Assis, e infinitos outros que não cabem aqui. Que mensagem que fica? O ser humano é maravilhoso. Tudo depende das escolhas que fazemos. Da próxima vez que você for dizer que não consegue antes de tentar, lembre-se disso.