quinta-feira, 6 de março de 2008

Mundo mundo vasto mundo....

O artigo de hoje é para aqueles que acham que nosso mundo está piorando em vez de melhorar! A corrupção é sinistra, a violência é o cão, a falta de vergonha na cara é maldita... Isso lá é bem verdade. O que a gente não pode pensar é que no tempo que passou era diferente e não havia nada disso, desprezando assim qualquer evolução que tenha tido a nossa cultura e nossos costumes com o passar do tempo! É verdade que muito trabalho intelectual que existia antes hoje não encontra par, ou que determinados governos e medidas do passado ultrapassam em muito a eficiência do presente... Mas vamos lembrar de algumas coisas que deixam claras as mudanças positivas pelas quais passou o globo: Há muito tempo atrás, tipo uns 3000 a.C, tinha uma civilização chamada Assíria, que matava seus oponentes com lanças enfiadas no tobas que rasgavam até a garganta. Todo mundo morria, e quem sobrevivia era vendido como escravo. Aliás, a venda de escravos de guerra não era monopólio assírio... pelo contrário! Era comum e normal. Todo mundo gostava de guerrear, e naquela época já tinha aquelas desculpas de “resguardar o territória nacional.” Roma virou gigante, e quem era cristão até 313 d.C. comia fogo ou era comido pelo leão Depois de 391 d.C. foi a vez dos pagãos serem perseguidos! Passaram a perseguir um depois do outro... Ai o tempo passou. Matar em praça com pedradas era normal, enforcar era tranquilo... As bruxas (What the hell!) viravam carvão e os “hereges” também. A desigualdade social era “legalizada”, já que quem nasceu pobre foi por vontade de Deus = .... A escravidão comia solta. Revoluções aqui e acolá, reformas e contra reformas, iluminismos que ficavam só nas palavras (isso a gente já conhece!) e revoluções industrias que enfiavam centenas de caboclinhos nas fábricas, incluindo mulheres e crianças, que trabalhavam de 14 a 18 horas por dia e ganhavam um peidinho, e como diria David Ricardo, só o necessário para sobreviver. Daí, enfim, começaram a agir. A escravidão passou a ser rechaçada (Mas a Mauritânia manteve ela legalizada até 1981, vejam, 1981!!!!!), começou a surgir o iniciozinho da preocupação social com Charles Fourier, Saint-Simon, Robert Owen e especialmente Karl Marx, o meio ambiente – antes sumariamente ignorado – passa a ser preocupação, o bem estar, a educação, a saúde... Ainda que não com a relevância que deveriam ter na pauta governamental, os governadores não comandam mais simplesmente para ter o poder e serem maiores – pelo menos espera-se que não. Já viram aquela propaganda da Futura? Aquela que fala da Joana D'Arc e mais um monte de gente, e no final diz algo do tipo “Que bom que a gente vive numa era em que podemos pensar livremente” - Apesar de nem todos gostarmos muito disso. Bem, antes de dizer que tudo está indo pras cucuias e que a próxima guerra vai destruir o mundo, lembre-se de que a primeira GM teve o motivo mais imbecil do mundo, e a segunda foi uma continuação. Lembre-se de que você podia ter dito que acreditava em Jesus e ter ido pra fogueira, ou ter ido pra fogueira por que não acreditava em Jesus. Lembre-se de que você ou seu amigo poderiam ser escravos, especialmente se fossem negros, num passado em que havia uma discriminação oficializada. Lembre-se que seu trabalhinho de 9 horas por dia não se compara ao das fábricas de tecidos de Manchester, na Inglaterra dos anos 1800. Afinal, vamos parar de reclamar e tentar fazer nossa parte direito!

sábado, 1 de março de 2008

Não lembrei do título....

E aí, campeão ;]

Tava escutando outro dia duas pessoas conversando sobre como os EUA são a personificação do Demônio. Fiquei ali por perto, papo vai, papo vem e o cara solta “Vê o Japão, por exemplo, um país desenvolvido e que nunca fez mal a ninguém“.

O tempo faz coisas incríveis, não é mesmo? Sementes viram árvores, pequenos fetos viram grandes homens, pessoas extremamente feias ficam bonitas, bonitas ficam feias, a única coisa que num muda é o Brasil. O tempo muda até a história e os dogmas também.

Se você falasse pra qualquer pessoa do séc. XVIII que o EUA são uma potência que come criancinhas, porcos capitalistas e todo esse papo provavelmente o cara ia rir, te chamar de louco e ainda ia dizer com todas as letras que os EUA são a prova da luta contra o sistema que nos sufoca UUUUUURRAAAAAAA.

Isso aconteceria porque na época os Estados Unidos elaboraram uma constituição que promovia a igualdade, lutaram contra o Reino Unido pela sua liberdade, aboliram a escravidão, medidas que ficaram soterradas na história pelas n! tsunamis de merda dos governos americanos. Por outro lado, o Japão foi uma potência imperialista que invadiu a China, tomou a Coréia, enfim, Atos que foram esquecidos quando a bomba atômica caiu lá e fez o Japão de coitado.

É fato que o tempo presente influência demais na opinião que o povo tem sobre certo país. Um exemplo claro que temos são os EUA. No tempo do Clinton, que tinha uma política altamente diplomática com a mediação dos conflitos na Irlanda do Norte, na Faixa de Gaza e Cisjordânia além da redução da venda de armas etc e tal. A imagem de País imperialista maldito e demoníaco que vinha durante anos foi reduzida. Porém, com a Volta do Bushinho, seguindo o hobby da família de caçar árabe, a imagem deteriorada voltou e até piorou.

Com as eleições que tão chegando aí se a Clinton de saia ganhar eu não sei, mas se Obama tomar conta da sala oval e conseguir uma reeleição (A coisa mais fácil do mundo em qualquer sistema democrático do planeta terra) eu aposto o que vocês quiserem que em uns oito anos essa imagem que temos dos EUA hoje vai ta mil vezes melhor.

Isso já aconteceu em vários lugares. Se você parar pra pensar vai achar centenas de exemplos em centenas de lugares diferentes.

O Brasil é um exemplo clássico disso. As memórias políticas aqui têm um prazo de validade quase que instantâneo. O governo FHC segurou uma inflação que quem estuda um pouco de economia parece que foi milagre, O governo Lula fez crescer a economia de uma maneira que poucas vezes foram vistas e ainda conseguiu acumular crédito pra pagar a dívida. Mas o povo lembra é que o FHC vendeu a mãe dele pros gringos e que o Lula não acerta a concordância de NENHUM verbo, o que realmente chega a ser passível de lembranças.

A memória histórica do mundo é muito curta. Exemplo disso é aquele lugar do mundo em que uns cinqüenta políticos roubaram quantias pornográficas, assumiram perante o país e depois de alguns meses fizeram música no natal... Mas provavelmente ninguém também se lembra disso, então ta tudo certo. Ah e mais uma coisa.....

...Esqueci.